Viseu protagoniza congresso histórico em busca da sua identidade como cidade de Poder

 

Novos dados e interpretações sobre o mistério da Cava de Viriato serão apresentados

Viseu acolhe, entre os dias 12 e 14 de abril, o congresso científico “Viseu, do Império ao Reino”, uma iniciativa conjunta do Instituto de Estudos Medievais da Faculdade de Ciências Sociais e Humanas da Universidade Nova de Lisboa e do Município de Viseu.

No centro dos debates estará o papel histórico de Viseu como centro político regional e cidade de poder entre a queda do Império Romano e a emergência da nacionalidade portuguesa, num período compreendido os séculos IV e XII.

Novos dados e interpretações a respeito da origem da Cava de Viriato serão apresentadas neste congresso, resultado do projeto de investigação coordenado por Catarina Tente no Instituto de Estudos Medievais, tal como sobre a organização da cidade e da Catedral, da Alta Idade Média à época moderna.

O congresso traz a Viseu 23 especialistas em arqueologia e história deste período, entre os quais José Mattoso, Quirós Castillo, Catarina Tente, Manuel Luís Real, Stuart Brookes, Iñaki Martín Viso, Julio Escalona Monge e Pedro Carvalho.

Para o Presidente da Câmara Municipal de Viseu, Almeida Henriques, “esta iniciativa recoloca a cidade de Viseu no roteiro da investigação arqueológica e histórica internacional e reconhece a sua centralidade na geopolítica ibérica da pré-nacionalidade e até à Idade Moderna”.

Segundo Almeida Henriques, “as comunicações científicas que serão apresentadas demonstram que o conceito da cidade-região de Viseu tem um forte fundamento histórico e constitui um legado no presente”.

Por esse motivo, “o Município de Viseu continuará a estimular a programação da investigação histórica e arqueológica da cidade e da sua envolvente, nomeadamente através do programa municipal ‘Viseu Património’, coordenado por Raimundo Mendes da Silva.”

O Presidente da Câmara destaca ainda como “especialmente relevantes” os novos dados e hipóteses que serão divulgadas neste congresso a respeito da Cava de Viriato. “Esta é a maior fortificação natural em terra da Península Ibérica e um dos maiores monumentos nacionais, mas é também o maior símbolo territorial da região, que persiste envolto em mistério”.

O Viriato Teatro Municipal será o palco das comunicações, sendo que o congresso terá também visitas guiadas em Viseu, Vouzela e Sátão. Durante três dias, são esperados cerca de 100 participantes.

O primeiro dia do congresso, a 12 de abril, traz à mesa de debate o mistério da Cava de Viriato, a urbe antiga da cidade e a Sé, em comunicações que prometem novos dados e olhares destes locais emblemáticos, indissociáveis da história e identidade de Viseu. Ao final da tarde, seguir-se-á uma visita guiada ao Centro Histórico e à Cava de Viriato.

Já a 13 de abril, o congresso centra a sua análise na história e evolução dos territórios alto medievais circundantes e apresenta ainda duas conferências sobre o Noroeste da Península Ibérica.

A terminar o congresso histórico, o dia 14 de abril será dedicado a visitas guiadas às torres medievais de Vouzela, nomeadamente as Torres de Vilharigues e de Alcofra, e ao sítio arqueológico da Senhora do Barrocal, no Sátão.

Esta é uma iniciativa organizada pelo Município de Viseu e o Instituto de Estudos Medievais da Universidade Nova de Lisboa e conta com o apoio da Fundação Calouste Gulbenkian, da Fundação para a Ciência e Tecnologia e das Câmaras Municipais de Vouzela e Sátão. 

Poderá consultar aqui mais informações sobre o painel de comunicações e o processo de inscrição.