Aeródromo Municipal de Viseu tem Plano Diretor aprovado

Documento contém visão de médio e longo prazo, visando um desenvolvimento sustentável e estratégico da infraestrutura

A Câmara Municipal de Viseu aprovou esta quinta-feira o plano diretor do Aeródromo Municipal.

O documento constitui um instrumento de planeamento estratégico da expansão e gestão a médio e longo prazo da infraestrutura municipal, segundo critérios de eficiência, sustentabilidade e objetivos de desenvolvimento local e regional.

O plano enquadra também a construção e instalação do novo quartel dos Bombeiros Municipais no contexto da infraestrutura aeroportuária, considerando também as oportunidades abertas pela proximidade do parque empresarial de Lordosa e pelo desenvolvimento futuro da barragem da Aguieira.

Nas palavras do Presidente da Câmara Municipal de Viseu, Almeida Henriques, “este plano diretor é um guião racional que visa valorizar esta infraestrutura num horizonte de 25 anos, colocando-a ao serviço do desenvolvimento do concelho e da região de Viseu, nomeadamente nos planos económico e logístico. O município assume o desígnio que o seu aeródromo seja uma âncora para o investimento em Viseu e o desenvolvimento de toda a cidade-região”.

Contribuir para melhorar a mobilidade de pessoas e mercadorias e o sistema de acessibilidades regional é um dos objetivos estratégicos definidos. Por outro lado, o plano visa acompanhar e responder às previsões de crescimento do setor e fluxos aeronáuticos em termos regionais, nacionais e europeus.

A valorização e exploração das ligações ao Porto e ao Douro, numa complementaridade com infraestruturas como o Aeroporto Francisco de Sá Carneiro, é um dos pressupostos da visão definida. O estacionamento de aeronaves, a realização de voos charter de cariz turístico, a formação aeronáutica e instalação e funcionamento de operações de socorro são alguns dos serviços potenciais identificados.

Num cenário de expansão estruturado em 6 fases até 2041 consta nomeadamente a construção de uma nova pista, com a extensão inicial de 1700 metros de comprimento e final de 2700 metros, e de um terminal de passageiros com capacidade inicial de 56 lugares até 300 lugares. Também o terminal de carga poderá ser criado e aumentado até uma área de 1125 metros quadrados.

O plano diretor agora aprovado será sujeito a parecer de diversas autoridades nacionais setoriais.