“Dever de Memória” recorda incêndios trágicos de outubro de 2017

Presidente da República testemunha inauguração, na noite de 15 de outubro, da exposição fotográfica que ficará patente na Quinta da Cruz até final do ano

 

“Dever de Memória – da Infâmia à Esperança” é o nome da exposição fotográfica que inaugura na Quinta da Cruz, em Viseu, na noite de 15 de outubro, quando se cumpre exatamente um ano sobre a tragédia dos incêndios que vitimou 18 pessoas no distrito de Viseu e 49 na região Centro, para além de dizimar largas centenas de habitações (1.483 na região Centro), empresas (516) e largas dezenas de milhar de hectares de floresta.

A inauguração, agendada para as 21h00, contará com a presença do Presidente da República, Marcelo Rebelo de Sousa, e do Presidente da Câmara Municipal de Viseu, Almeida Henriques.

A mostra tem como autores os fotojornalistas Adriano Miranda (Público) e Nuno André Ferreira (Correio da Manhã e Agência Lusa) e promotor o Município de Viseu, com organização do Vereador da Cultura, Jorge Sobrado.

“Este projeto – espécie de roteiro fotográfico entre a irreparável noite de 15 de outubro de 2017 e os últimos dias do verão de 2018, na região de Viseu – nasce de um imperativo ético que renasce em todas as tragédias: o dever de memória”, explica Jorge Sobrado, salientando que “no desenvolvimento desta espécie de memorial animou-nos uma mesma dupla motivação original: a de recusar o esquecimento sobre a infâmia das irreparáveis e incompreensíveis perdas humanas e das suas cicatrizes; a de partir à descoberta de um território de reconstrução e de esperança”.

Exposição e catálogo, com 79 e 127 imagens respetivamente, fazem uma viagem do inferno da noite de 15 e do dia de 16 de outubro de 2017 até aos últimos dias do verão de 2018 na região, testemunhando através dos olhares pessoais dos seus autores a ‘infâmia’ da tragédia humana e natural, mas também a ‘esperança’ suscitada pela recuperação, reconstrução e renascimento, ainda que lentas e desiguais.

A solidariedade e a sensibilização para as causas da defesa do Interior e da floresta estão entre os principais motivos da exposição. A venda do catálogo reverterá integralmente para os Bombeiros Voluntários de Viseu.

Para além dos repórteres, foram convidados a participar jornalistas que acompanharam ‘por dentro’ a mais longa noite de fogo, morte e destruição de que há memória na região ou os dias imediatamente seguintes, no rescaldo dos incêndios e no levantamento das perdas humanas e materiais. São eles Patrícia Carvalho, Luís Oliveira, Paulo Moura, Sandra Ferreira e Tiago Vergílio Pereira.

A exposição fica patente até 31 de dezembro de 2018.