“Tinto no Branco” leva ao “Morabeza” a cultura gastronómica de Viseu

O património e a cultura gastronómica de Viseu estiveram em destaque no festival literário MORABEZA, na ilha do Fogo, promovido pelo Ministério da Cultura e Indústrias Criativas de Cabo-Verde, que terminou este domingo.

A convite da organização, o Vereador da Cultura e do Turismo do Município de Viseu, Jorge Sobrado, e o Chef do Mesa de Lemos, Diogo Rocha, realizaram uma conferência sobre o tema “Gastronomia e Literatura”, no qual foi ainda pré-apresentado o novo livro de Diogo Rocha “Queijaria do Chef” (edição LEYA), que terá apresentação oficial no festival literário de Viseu “Tinto no Branco”, no próximo mês de dezembro. O valor patrimonial da gastronomia regional, o seu potencial literário e turístico, e os atributos agroalimentares e vínicos de Viseu marcaram a conversa.

Também nesse mesmo dia foi organizada uma prova gastronómica de Viseu para escritores convidados do festival MORABEZA, que contou com a presença do Ministro da Cultura cabo-verdiano, Abraão Vicente, do Presidente da Câmara de Viseu, Almeida Henriques, e de Germano Almeida, Prémio Camões 2018.

Na programação do festival, o Vereador da Cultura moderou ainda o debate de dois relevantes escritores africanos de língua portuguesa, Abdulai Sila (Guiné Bissau) e Samuel Gonçalves (Cabo-Verde), subordinado ao tema “Porque precisamos de livros hoje?”.

A parceria cultural entre Viseu e Cabo-Verde nasceu em 2018, no âmbito do protocolo de cooperação entre o Município de Viseu e o Ministério da Cultura e Indústrias Criativas de Cabo-Verde, que procedeu à geminação dos festivais literários “Tinto no Branco” e “MORABEZA”, considerado o mais relevante evento literário africano de língua portuguesa.

Entre 6 e 8 de dezembro de 2019, o festival literário “Tinto no Branco” voltará a contar com a participação de escritores cabo-verdianos, à semelhança de 2018.