Câmara de Viseu aprova obras estruturantes no valor de 11 milhões de euros

Obras do novo Centro de Mobilidade e Transportes de Viseu (Central Camionagem) estarão no terreno este mês. Adjudicação da cobertura do Mercado 2 de Maio também foi aprovada 

O Executivo Municipal de Viseu aprovou esta quinta-feira, 14 de maio, o lançamento de concurso, adjudicação e/ou consignação de um conjunto de obras estruturantes, num valor superior a 11 milhões de euros.

Entre estes, destaque para as adjudicações da empreitada de cobertura do Mercado 2 de Maio, fundamental na estratégia de dinamização do Centro Histórico, e a última fase (IV) de requalificação da Escola da Ribeira.

“Apesar do momento que vivemos, não paramos projetos estruturantes para o nosso Concelho. É importante reanimar a atividade económica e honrar os compromissos com os Viseenses, privilegiando a mobilidade, no âmbito do MUV, a melhoria das condições das nossas escolas, a dinamização do Centro Histórico e a concretização do programa ‘Eu gosto do meu Bairro’”, explica o Presidente da Câmara Municipal, António Almeida Henriques.

Na área educativa, o Executivo Municipal aprovou a adjudicação da última fase (IV) da reabilitação da Escola da Ribeira, depois da cobertura, eficiência energética e qualificação do espaço exterior. O investimento é superior a 1 milhão de euros e o prazo de execução de 224 dias, tendo a obra sido adjudicada à empresa António Lopes Pina Unipessoal.

Do projeto de execução final consta a requalificação das instalações sanitárias em geral, a construção de uma sala de refeições com as dimensões adequadas ao número de utentes, a construção de uma biblioteca e de um alpendre, a requalificação geral da rede elétrica e de telecomunicações, a pintura geral interior, a execução da rede de gás natural e de uma nova rede de aquecimento, a instalação de unidade de produção para autoconsumo, a conclusão dos arranjos exteriores e a construção de parque infantil.

Com a intervenção agora prevista, o investimento global do Município na Escola da Ribeira ascenderá a mais de 1,4 milhões de euros.

Também nesta reunião do Executivo foi aprovado o lançamento do concurso para a requalificação da Escola Básica de Paradinha, cujo investimento ascende a 588 mil euros - esta escola reveste-se de algum simbolismo, por nela se desenvolver um novo projeto de integração e um novo conceito de sala de aulas e aprendizagem.

Com um prazo de execução de 140 dias, a empreitada contempla a criação de novos espaços, como é disso exemplo uma Sala de Terapias, nova Sala de Professores, Copa de Culinária e os espaços de serviço.

O projeto contempla também a criação de acessos para crianças com mobilidade condicionada, nomeadamente salas e instalações sanitárias, e a reformulação de áreas de serviço, instalações sanitárias e espaços de recreio.

Durante o mês de maio arranca a obra do novo Centro de Mobilidade e Transportes de Viseu, executada em duas fases consecutivas, depois do visto do Tribunal de Contas. Na reunião do Executivo desta quinta-feira, foi aprovada uma proposta de trabalhos preparatórios no valor de cerca de 25 mil euros, que permitem lançar a obra no terreno.

O Centro de Mobilidade e Transportes de Viseu, que agregará todos os serviços de transportes públicos, tem um prazo de execução de 560 dias e um investimento global de 4,6 milhões de euros.

A obra vai decorrer em duas fases, avançando em primeiro a zona de estacionamento, permitindo que o atual equipamento continue a funcionar.

A infraestrutura terá uma ilha central virada para os transportes urbanos de Viseu (MUV) e boxes para o transporte intermunicipal.

Outra obra estruturante, que viu agora aprovada a adjudicação, é a cobertura do Mercado 2 de Maio, cujo investimento ascende a 4,3 milhões de euros.

Com um prazo de execução de 18 meses, este projeto de cobertura da praça mais emblemática de Viseu prevê, além da cobertura, a execução de um novo sistema de climatização para as lojas, trabalhos gerais de construção civil e requalificação de espaços exteriores.

O projeto inclui também uma inovadora solução de produção e aproveitamento de energia elétrica que, além de permitir uma maior eficiência térmica do espaço, representa de imediato uma clara mais-valia ambiental, energética e financeira, não apenas para o projeto em causa, como também para os edifícios vizinhos de propriedade municipal – futura sede das Águas de Viseu e Paços do Concelho.

A cobertura irá funcionar como um grande painel, com cerca de 4.300 m2, estimando-se que, por força da energia produzida, tenha um retorno do investimento de cerca de 10 anos.

Por último, foi também aprovada a adjudicação da empreitada de requalificação do bairro da Quinta de São José, pelo valor de 736 mil euros.

Termina assim um longo e sinuoso processo, no qual o Município de Viseu se viu obrigado a pagar ao Estado Central mais de 15 mil euros por um terreno com 120 metros quadrados.

O projeto prevê o alargamento da avenida e a construção de uma rotunda, melhorando a circulação naquela zona da cidade.

De realçar que a cobertura do Mercado 2 de Maio e a construção do Centro de Mobilidade e Transportes são obras enquadradas no PEDU, com financiamento comunitário, assim como as intervenções nas escolas de Paradinha e da Ribeira. Já a intervenção no Bairro da Quinta de S. José é totalmente suportada pelo orçamento municipal.