Introdução
Desde o século IX, com a descoberta do túmulo do Apóstolo Tiago, muitos são os Peregrinos que se sentem impelidos a percorrer os Caminhos de Santiago, espalhados por toda a Europa, com especial incidência na Península Ibérica.

Ainda que a tradição da Peregrinação remonte ao século IX, o Caminho de Santiago atingiu o máximo esplendor nos séculos XI e XII, tendo sofrido um período de estagnação na Idade Média, e após a Contra Reforma; no início do século XVII, por Portugal, retomou o período de esplendor. Desde o século XIX, o Caminho de Santiago tem recuperado grande protagonismo, tendo sido classificado como Primeiro Itinerário Cultural Europeu, em 1987, e Património da Humanidade, em 1993 (Espanha) e em 1998 (França), além de outras atribuições significativas. Na última década, o Caminho de Santiago ganhou um grande impulso, fruto do trabalho das autoridades espanholas e também de particulares que promovem o Caminho e tudo aquilo que pode ser oferecido ao Peregrino, como por exemplo os albergues, áreas de restauração, património cultural e natural, entre outras valências.
Em Portugal, a rede de Caminhos de Santiago é relativamente vasta, destacando-se duas principais vias: a do litoral e a do Interior. No primeiro caso, o Caminho encontra-se devidamente sinalizado, desde 2006, de Lisboa a Santiago de Compostela, que entra em Espanha por Tui; no segundo caso, o Caminho só agora se encontra sinalizado e divulgado. Segundo alguns estudos e publicações, o Caminho Português Interior de Santiago liga Viseu a Chaves, atravessando o território dos Municípios de Viseu, Castro Daire, Lamego, Peso da Régua, Santa Marta de Penaguião, Vila Real, Vila Pouca de Aguiar e Chaves, sendo que neste último Município o trilho cruza a fronteira, ligando à Via da Prata (percurso que se inicia em Sevilha), em direção a Santiago de Compostela.


O Caminho Português Interior de Santiago no Município de Viseu

Desde o início de 2010, o Município de Viseu tem vindo a trabalhar em parceria com os restantes Municípios referidos no sentido de recuperar, reabilitar e dinamizar o Caminho Português Interior de Santiago, tendo firmado o seu compromisso através da assinatura de Protocolo de Colaboração, celebrado a 7 de Abril de 2011, em Vila Pouca de Aguiar.
No caso de Viseu, o Caminho Português Interior de Santiago atravessa cerca de 40 Km do território municipal (no sentido norte-sul, as freguesias de Farminhão, S. Cipriano, S. Salvador, Coração de Jesus, Santa Maria, S. José, Abraveses, Campo, Lordosa e Calde) com especial incidência em zona rural, promovendo a recuperação e utilização de caminhos romanos, medievais e agrícolas, além de contribuir para a valorização e dinamização do património e cultura locais.
Depois de concluídos os trabalhos de levantamentos no terreno, cartográfico e por GPS, sinalética e fotográfico, procedeu-se à limpeza do Caminho, marcação e reabilitação dos Albergues dos Peregrinos. Em termos de sinalização, procedeu-se numa primeira fase à marcação de setas amarelas, símbolo internacional do Caminho de Santiago, que depois serão complementadas com sinalética vertical.
Desde Dezembro de 2011, esta ação foi desenvolvida com a colaboração da Junta Regional de Viseu do Corpo Nacional de Escutas. Por norma, as setas amarelas são pintadas no chão, no lancil dos passeios, em postes da rede de distribuição elétrica, em muros, em marcos, em pedras e, por vezes, em pinheiros. Paralelamente à marcação das setas amarelas (indicando o Caminho de Santiago), e na direção contrária, encontram-se marcadas setas azuis, indicando o Caminho de Fátima, outra via de peregrinação com muita tradição no nosso país.

 

O Percurso

É a partir de 24 de Abril de 2012 que podem começar a ser trilhados os 205,8Km do trajeto em território nacional que vai desembocar, na fronteira, aos 179,5km integrados na Via da Prata em direção a Santiago de Compostela (nesta cidade, o Caminho Português Interior foi apresentado no passado dia 4 de Abril de 2012, no espaço Turismo Porto e Norte).
Pelo Caminho Português Interior, o Peregrino percorre cerca de 385km entre Viseu e Santiago de Compostela, dos quais 205km em solo português, designadamente pelos Municípios de Viseu (35,5km), Castro Daire (36,6km), Lamego (28,8km), Peso da Régua (3,7km), Santa Marta de Penaguião (15,3km), Vila Real (22,9km), Vila Pouca de Aguiar (24,8km) e Chaves (38,2km). Para apoio do Peregrino, que segue orientado pelas setas amarelas, estão já assinalados 10 albergues, dos quais seis são definitivos. A lotação dos mesmos vai de 10 a 60 pessoas e dispõem de quartos, casa de banho, chuveiros, lavandaria e outras valias.

 
A perfazer o caminho lusitano, e tendo por base a publicação de “Caminhos Portugueses de Peregrinação a Compostela – itinerários portugueses”, do autor Arlindo Cunha, sugerem-se nove jornadas ao longo de caminhos tradicionais: Viseu/Almargem; Almargem/Mões; Mões/Magueija; Magueija/S. Gonçalo de Lobrigos; S. Gonçalo de Lobrigos/Vila Real; Vila Real/Zimão; Zimão/Oura; Oura/Chaves; Chaves/Fronteira.
Ampliar a rede internacional de Caminhos de Santiago e aumentar os visitantes no Interior são alguns dos objetivos deste projeto intermunicipal de marcação e dinamização do Caminho Português Interior de Santiago. O percurso delineado aproxima-se do traçado original, em que não foi descurada a segurança e o conforto dos Peregrinos, associados a uma ruralidade pró-ativa em valorizar o contacto com as gentes e com o património envolvente, tais como igrejas, alminhas, pontes e vias ancestrais, entre outros elementos identitários.


O traçado tem ainda utilização, no sentido inverso, como Caminho de Peregrinação a Fátima (setas azuis).
Estando já todo o Caminho Português Interior de Santiago sinalizado e funcional compete a cada um de nós salvaguardar a sinalização e estruturas de apoio, por forma a garantir que os Peregrinos e Caminhantes possam usufruir de agradáveis trilhos, no nosso território e no espanhol, sem se perderem e que o possam usufruir em segurança e com comodidade.


Testemunho:
“ Enquanto Presidente da Câmara Municipal de Viseu, Município anfitrião da Cerimónia de Abertura do Caminho Português Interior de Santiago, é com particular regozijo que acolho este projeto, dinamizando uma importante antiga via de peregrinação rumo a Santiago de Compostela, na qual Viseu assume um papel relevante, enquanto local agregador de várias vias de comunicação que aqui se ligam atualmente. O Município de Viseu é atravessado por cerca de 40kms do Caminho, descobrindo o nosso património natural, edificado e cultural, partilhando com as nossas gentes os seus testemunho, imbuídos de um espírito de partilha e solidariedade, próprios dos Peregrinos de Santiago”.
O Presidente da Câmara Municipal de Viseu, Drº. Fernando Ruas.

Para mais informações: http://www.cpisantiago.pt/