Viseu junta 20 parceiros em consórcio para estratégia de desenvolvimento local

Estratégia será candidatada ao PORTUGAL 2020 
Um consórcio de 20 parceiros para a estratégia de desenvolvimento local “VISSAIUM 21” foi constituído esta quarta-feira, na Câmara Municipal de Viseu.

O consórcio apresentará já esta sexta-feira no balcão do “PORTUGAL 2020” uma candidatura ao concurso para estratégias de “Desenvolvimento Local de Base Comunitária” (DLBC), uma das novas figuras comunitárias para investimentos financiados por fundos estruturais.

O principal objetivo da estratégia é o da promoção da inclusão e do empreendedorismo social na área urbana de Viseu, incluindo as freguesias de Ranhados e Rio de Loba.

O combate ao desemprego, à pobreza, à exclusão em bairros de habitação social e ao abandono escolar e o desenvolvimento da economia e da inovação social estão no centro das propriedades de intervenção da “VISSAIUM 21”, cuja comissão executiva será liderada pela Confederação Empresarial da Região de Viseu (CERV).

No conjunto dos parceiros, estão associações empresariais, instituições de ensino superior e escolas profissionais, juntas de freguesia, instituições de solidariedade social, associações comunitárias e entidades do Estado central e local.

No ato de constituição do consórcio, o Presidente da Câmara Municipal de Viseu, Almeida Henriques, considerou esta parceria como “uma prova da maioridade da sociedade de Viseu e um teste à sua capacidade”.

“Viseu quer defender e projetar o seu estatuto e o seu desígnio de ‘Melhor Cidade para Viver’. Defender esse desígnio já não pelo lado das infraestruturas, mas pelo investimento nas pessoas e nos territórios enquanto realidades humanas, económicas e culturais”, explicou Almeida Henriques.

Entre as principais preocupações sociais, o autarca destacou problemas como o elevado desemprego jovem, a falta de qualificações profissionais de desempregados, a dependência de rendimentos sociais e o aumento acentuado do envelhecimento populacional.

Na sua comunicação, Almeida Henriques referiu ainda que “o Viseu Estaleiro-Escola será parte integrante desta estratégia, intervindo simultaneamente na formação, no emprego, na reabilitação de edificado e de zonas críticas, e na reconversão do setor da construção. Estamos ansiosos para que os financiamentos do PORTUGAL 2020 se abram definitivamente para ativar o seu funcionamento.”