• Casa de S. Miguel
  • Casa do Cruzeiro
  • Parque do Fontelo
  • Igreja de S. Miguel
  • Portal do Fontelo
  • Solar do Dão
  • Paço do Fontelo

 

Nome:

Casa de S. Miguel

Época de construção:
Século XVII – XVIII
Descrição: “É esta casa um exemplo do modo próprio do construir português, de que são testemunho o alpendre assente em colunas e a ampla escadaria de acesso. Enquadra-se num cenário pitoresco para o qual concorre o portal e a cerca deste espaço que nos remete para uma ambiência bucólica e melodiosa.
 
Nome:

Casa do Cruzeiro

Época de construção:
Século XVII
 
Nome:

Parque do Fontelo

Descrição: Ocupando uma vasta área a nascente da cidade, fazia parte da Quinta do Paço dos Bispos, que teve o seu maior esplendor no século XVI, com o bispo D. Miguel da Silva. A mata é rica em espécies vegetais e arvores (castanheiros e carvalhos) que devem ter acompanhado toda a história de Viseu no último milénio. O bispo D. Gonçalo Pinheiro mandou edificar ali uma pequena capela dedicada a S. Jerónimo de que apenas restam ruínas e memórias. Na parte mais baixa, com melhor aptidão agrícola, instalou-se a Estação Agrária de Viseu. A parte restante constitui o maior espaço verde público da cidade e tem sido utilizada para implantação de importantes equipamentos de lazer e desporto. Possui hoje um estádio, com bancadas renovadas, piscinas, courts de ténis, pavilhão polivalente, vários campos de treinos e ainda um parque de campismo e um parque infantil. Junto ao antigo Portal do Fontelo constitui-se a sede do Instituto português da Juventude.
 
Nome:

Igreja de S. Miguel

Época de construção:
Já existia no século XI
Descrição: É uma das mais ancestrais igrejas da cidade, embora deva a sua actual fisionomia a uma total reconstrução levada a cabo pelo cabido, em meados do século XVIII. Do primitivo edifício ficou apenas a memória e evocação. Tornou-se um local de culto e especial devoção, logo na Idade Média, por nela repousarem, segundo reza a lenda, os restos mortais de D. Rodrigo, o último rei dos Godos.
 
Nome:

Portal do Fontelo

Cronologia:
1565
Descrição: Transpondo esta enorme moldura que é o Portal do Fontelo acede-se à chamada Carreira dos Cavalos, a actual Avenida de Fontelo, ao fundo da qual está o Paço Episcopal do Fontelo. Mandado construir pelo bispo D. Gonçalo Pinheiro (1553-1566) o portal impõe-se pelas formas sólidas e robustas que apresenta e evoca um tempo de esplendor e de refulgência construtiva.
 
Nome:

Solar do Vinho do Dão

Descrição: O Solar do Vinho do Dão, antigo Paço do Fontelo, localizado no sítio que antigamente se chamava Fontanelo, teve a sua origem numa herdade com o mesmo nome comprada pelo bispo de Viseu D. Odório, em 1149 . Terá sido o bispo D. João Homem (1399) que deu início à construção do Paço. D. Garcia leva avante a obra e manda construir a Capela de Santa Marta, por volta de1426. Importante foi a intervenção de D. Miguel da Silva que dotou, com melhoramentos, o paço e a quinta e nela fez jardins. D.Gonçalo Pinheiro manda construir, em 1563, a capela de S. Jerónimo, os pórticos da avenida de acesso ao paço, leva a cabo obras de restauro e conservação e cerca a quinta do Fontelo, obra começada por D. Miguel da Silva. Desde 1810, aquando da terceira invasão francesa, o paço do Fontelo passou a ser a residência permanente dos bispos de Viseu. Em 1912, o Governo da República retira a Quinta do Paço ao último bispo residente, D. António Alves Ferreira. Passa então a quartel, cadeia, foi até lugar de acolhimento. Torna-se pertença da Câmara Municipal a 29 de Março de 1926. Recentemente, o antigo paço episcopal, foi objecto de esmerada requalificação, onde agora sedia a Comissão Vitivinícola Regional do Dão, o chamado Solar do Vinho do Dão. Local de cariz único e de uma plenitude incomparável e de uma beleza inconfundível.
 
Nome:

Paço do Fontelo

Época de construção:
Século XV
Descrição: Apesar de ter sido recentemente remodelado, este edifício de planta rectangular e de dois pisos, apresenta base arquitectónica do século XV. D. Miguel da Silva, bispo de Viseu de 1526 a 1547 vai imprimir aos Paços do Fontelo, qual corte de eruditos, uma certa ambiência palaciana, importada da Itália onde vivera durante alguns anos. Interiormente, o Paço vai sendo enriquecido com valiosas pinturas de autores portugueses do século XVI, o designado núcleo do Fontelo que está hoje à guarda do Museu de Grão Vasco. No exterior arquitectam-se jardins à italiana e bosques, animados por lagos e parreiras. Após a implantação da Republica é Transformado em edifício militar. Mais recentemente, a obra de restauro do antigo Paço Episcopal, reabilitou-o como Solar do Vinho do Dão.
 
 TOPO