Oito municípios associam-se hoje em Viseu para defender viabilização da barragem da Maeira

Atual sistema de reserva e abastecimento de água é insuficiente para as necessidades da região

Realiza-se esta quarta-feira, pelas 17 horas, na Câmara Municipal de Viseu, o ato público de assinatura do protocolo de cooperação entre os Municípios de Mangualde, Nelas, Penalva do Castelo, Sátão, Vila Nova de Paiva, S. Pedro do Sul, Vouzela e Viseu, tendo em vista uma política conjunta de abastecimento de água na região e, em particular, a defesa da construção da barragem da Maeira, prevista no âmbito do Plano de Gestão da Bacia Hidrográfica do Vouga, Mondego e Lis, e com estudo prévio já elaborado.

Participam da cerimónia o Secretário de Estado do Ambiente, Carlos Martins, e os Presidentes de Câmara dos oito municípios outorgantes.

No documento que define o protocolo de cooperação, os municípios comprometem-se numa cooperação para uma política conjunta de abastecimento de água e saneamento de águas residuais, tendo na Águas de Viseu - Serviços Municipalizados de Água e Saneamento o instrumento institucional e técnico para o desenvolvimento de todos os estudos, projetos e candidaturas que se verifiquem como necessárias.

Os municípios assumirão ainda ser necessário e prioritário o reforço do abastecimento de água aos seus concelhos, melhorando os níveis de sustentabilidade do atual sistema de armazenamento e distribuição, face à dimensão demográfica e económica da região. Os autarcas assinalam, nesse protocolo, que a atual capacidade instalada não atinge o grau de sustentabilidade imposto pelo regulador.

A capacidade atual da albufeira da barragem de Fagilde (2.500.000m3) revela-se já insuficiente para garantir o abastecimento de água às populações que dela dependem, designadamente dos concelhos de Viseu, Mangualde, Nelas e Penalva do Castelo, sendo a capacidade projetada para a albufeira da barragem da Maeira mais de quatro vezes superior (10.500.000 m3).

No documento que irão subscrever, os municípios recordam ainda que, de acordo com o estudo prévio da barragem, a infraestrutura permitirá um aproveitamento para produção de energia elétrica.